Fotografia do "Rio Cávado, no Gerês"

sábado, 28 de fevereiro de 2009

A PIPA E A FLOR


Os caminhos do amor de

Rubem Alves


A história começa com algumas considerações de um personagem que deduzimos ser um velho sábio. Ele observa algumas pipas presas aos fios elétricos e aos galhos das árvores e afirma que é triste vê-las assim, porque as pipas foram feitas para voar. Acrescenta que as pessoas também precisam ter uma pipa solta dentro delas para serem boas. Mas aponta um fator contraditório: para voar, a pipa tem que estar presa numa linha e a outra ponta da linha precisa estar segura na mão de alguém. Poder-se-ia pensar que, cortando a linha, a pipa pudesse voar mais alto, mas não é assim que acontece. Se a linha for cortada, a pipa começa a cair.

Em seguida, ele narra a história de um menino que confeccionou uma pipa. Ele estava tão feliz, que desenhou nela um sorriso. Todos os dias, ele empinava a pipa alegremente. A pipa também se sentia feliz e, lá do alto, observava a paisagem e se divertia com as outras pipas que também voavam.

Um dia, durante o seu vôo, a pipa viu lá embaixo uma flor e ficou encantada, não com a beleza da flor, porque ela já havia visto outras mais belas, mas alguma coisa nos olhos da flor a havia enfeitiçado. Resolveu, então, romper a linha que a prendia à mão do menino e dá-la para a flor segurar. Quanta felicidade ocorreu depois! A flor segurava a linha, a pipa voava; na volta, contava para flor tudo o que vira

Acontece que a flor começou a ficar com inveja e ciúme da pipa. Invejar é ficar infeliz com as coisas que os outros têm e nós não temos; ter ciúme é sofrer por perceber a felicidade do outro quando a gente não está perto. A flor, por causa desses dois sentimentos, começou a pensar: se a pipa me amasse mesmo, não ficaria tão feliz longe de mim ...

Quando a pipa voltava de seu vôo, a flor não mais se mostrava feliz, estava sempre amargurada, querendo saber com que a pipa estivera se divertindo. A partir daí, a flor começou a encurtar a linha, não permitindo à pipa voar alto. Foi encurtando a linha, até que a pipa só podia mesmo sobrevoar a flor.

Esta história, segundo conta o autor, ainda não terminou e está acontecendo em algum lugar neste exato momento.



(Flores colhidas hoje em Vila Nova de Famalicão, numa Primavera antecipada.)
Há três finais possíveis para ela:

1 - A pipa, cansada pela atitude da flor, resolveu romper a linha e procurar uma mão menos egoísta.

2 - A pipa, mesmo triste com a atitude da flor, decidiu ficar, mas nunca mais sorriu.

3 - A flor, na verdade, era um ser encantado. O encantamento quebraria no dia em que ela visse a felicidade da pipa e não sentisse inveja nem ciúme. Isso aconteceu num belo dia de sol e a flor se transformou numa linda borboleta e as duas voaram juntas.


Poucas pessoas conseguiram definir tão bem os caminhos do amor como Rubens Alves, numa fábula surpreendente, cujos personagens são uma pipa e uma flor.

A Pipa e a Flor - São Paulo, Edições Loyola
http://www.geocities.com/nellypenteado/metaf20apipaeaflor.htm





NOTA:Rubem Alves, brasileiro, psicanalista, veio aqui a Portugal algumas vezes, eu tive o privilégio de estar com ele e com Laerte Asnis e sua companhia de Teatro do "Grande Urso Navegante", que adaptou esta obra de Rubem Alves e a exibiu pelas escolas portuguesas. Laerte, sua esposa Valeria e filhos ficaram hospedados por uns dias em minha casa. Representaram a peça na EB1 de Vermoim, em Vila Nova de Famalicão, onde eu dava aulas e era responsável pela Biblioteca Escolar. Foi um momento único para alunos e Encarregados de Educação.

Esta estória mexe realmente com todos e as crianças precisam aprender, desde cedo, que o amor não significa 'inveja, ciúme, prisão', como foi tão bem demonstrado através de uma Pipa (papagaio de papel em português) e de uma flor.

Aqui neste vídeo podem ver Laerte representando a peça em escolas. Podem ver, também, Rubem Alves visivelmente emocionado a falar para as crianças, no final do vídeo.




Rubem Alves

"Enquanto a sociedade feliz não chega, que haja pelo menos

fragmentos de futuro em que a alegria é servida como

sacramento, para que as crianças aprendam que o

mundo pode ser diferente. Que a escola,

ela mesma, seja um fragmento do

futuro..."


Neste site: Releitura, resumo biográfico e bibliográfico de Rubem Alves
http://www.releituras.com/rubemal
ves_bio.asp


14 comentários:

Astrid Annabelle disse...

Maravilhoso post!
Linda história de amor.
Eu me senti a borboleta e fui voar com a pipa!!!
parabéns Lucy!
Seu blog está demais.
Um beijo bem grande por este presente, hoje.
Astrid

Eduardo Aleixo disse...

Excelente post, Lucy. Parabéns. Toda a blogosfera devia ler esta linda estória. Que está acontecendo agora mesmo, sim. A inveja não desarma. Mas não vence. Há muitas borboletas no ar, felizes por verem as outras borboletas felizes. Há muitas pipas voando ligadas ao brilho dos olhares das flores sem azedumes e sem maldades. Adorei a estória. Obrigado. Beijinho. Vou contá-la já ao Zé do Telhado. Ou então digo à Maria da Fonte que lhe conte. Um beijo

Eduardo Aleixo disse...

Lucy

I forgot to say you: what a wonderfull flowers!
Among them one can see a child: who is the child?

Nice week end.

Eduardo

Lucy disse...

Eduardo, a flor que viste é o meu amor-perfeito - a minha neta Joana de 3 aninhos. Falta-te descobrir mais duas orquídias. Vá lá, procura...

Beijoca

Dennys Reys disse...

Podemos escolher ser flor ou pipa... o ambiente, as coisas e o tempo dirá a nossa história mediante as decisões que tomaremos....

Lindo conto....

Cadinho RoCo disse...

Toda energia reconhecida pelo amor é cativante.
Cadinho RoCo

mundo azul disse...

_________________________________

Uma excelente mensagem nessa história... Tomara que a última opção seja a verdadeira!

Gostei muito daqui!


Beijos de luz...

_________________________________

mundo azul disse...

_________________________________

...esqueci de comentar as suas fotos...São lindas!!!


_________________________________

Verdequetequerover-te disse...

É também de Rubem Alves a frase: Amar é ter um pássaro pousado no dedo.
Quem tem um pássaro pousado no dedo sabe que,
a qualquer momento, ele pode voar”

Lindo post e
belíssimas fotos!

São-lhe gratos os meus sentidos.

Lucy disse...

Muito prazer em recebê-lo(la) Verdequetequerover-te!

Rubem Alves tem muitas frases lindas e profundas, como a que escreveu. Ouvi-lo falar é assim mesmo.

Aos poucos eu irei transcrever algumas 'Estórias de quem gosta de ensinar' mas vistas "Por Uma Educação Romântica" - um livro editado aqui em Portugal, em Maio de 2000 - pelo Centro de Formação Camilo Castelo Branco e com o apoio da Câmara de Famalicão.

Continue a aparecer porque 'muito verde pode ver' por aqui, é só procurar pelas etiquetas.

Fico feliz por ter gostado das fotos.

Grata pela sua presença,
Lucy

Eduardo Aleixo disse...

Contente fiquei por saber que também gostas das paisagens de Éxupéy.
Bom dia.
Beijo.
EA

Laerte Asnis disse...

Minha amiga Lucilia, que felicidade poder te encontrar, após tantas buscas. Continuamos apresentando A PIPA E A FLOR, neste ano de 2009, comemoramos 10 anos da peça. E mais ainda, tenho uma ótima notícia pra você: A Valéria está em POrtugal desde o dia 01 de Março de 2009 e ficará até 08 de agosto. Esta estudando na Universidade do Minho em Braga. Tentamos te avisar de todas as formas, mas não conseguimos te localizar. Se puder, ligue pra ela, ela vai ficar muito feliz, o telemóvel dela é 966868231
Grande beijo de todos nós (Laerte, Gabriel e Yuri)e estamos com mais duas peças baseadas em livros do Rubem: O PASARINHO ENGAIOLADO (editora Papirus) e AS CORES DO CREPUSCULO (que em Portugal é editado pela ASA)
Meu e.mail: laerteasnis@globo.com

Diamantino Cruz disse...

Obrigado por esta bela e sábia mensagem!
Vou enviar o link a todos os meus amigos. Espero que, um dia, todas as flores se transformem em borboletas e o nosso sonho seja uma realidade!
Um grande a braço.

Lucília Ramos disse...

Sim, Diamantino, oxalá saibamos aprender bem com esta lição. Grata pela presença. Abraço.