Fotografia do "Rio Cávado, no Gerês"

terça-feira, 30 de junho de 2009

Brinquedos da nossa geração

Dedico esta postagem aos meus irmãos, pois foi no seio familiar, que fiz a primeira aprendizagem na arte de brincar.


Em Junho de 2009, a Casa do Povo de Lousado - Vila Nova de Famalicão - levou a efeito uma exposição de "Brinquedos da Minha Geração" - que tive o prazer de visitar no átrio da Biblioteca Municipal de Famalicão.

Foi com emoção que reavivei na minha memória brinquedos que foram de meados dos anos cinquenta a princípios de sessenta, alguns deles recebidos nos meus aniversários de criança, outros ainda, nos Natais da minha inocência, como prenda no sapatinho.

Antigamente, não era comum oferecer-se brinquedos às crianças em qualquer época do ano e, também, não havia o "Dia da Criança", de maneira que qualquer brinquedinho recebido nestas duas datas importantes da vida infantil, fazia as nossas delícias por longo tempo.

Muitos destes jogos expostos me fizeram recordar certas amizades de infância, aquelas com quem partilhámos passatempos e descobertas que a nossa imaginação infantil deixou voar...


Recordemos:

domingo, 28 de junho de 2009

S. João já se acabou...


... e também a EXPOSIÇÃO DA SOND' ART - Oficina da Música esteve presente, desde o dia 13 de Junho até ao dia 24 de Junho, na tenda de exposição dos gigantones e cabeçudos, na Av. Central de Braga.


Não se pode deixar de apreciar certas caricaturas, certos "gigantones" públicos, bem 'apanhados', que fazem a risota do adulto ao vê-los rodopiar sem parar, esticando os braços frouxos e cegos... mas que sempre passam de raspão pelo rosto dos portugueses.

Não admira, pois, que as crianças tenham tanto medo destes "cabeçudos" gigantes!!!
E nós, não passamos de criancinhas perto deles!...
Ora vejam:



quarta-feira, 24 de junho de 2009

Para começo de Verão...


Uma ida à praia ou ao campo, desde que haja água por perto, é a maior benção para um tempo sufocante. O fim de semana passado foi de um calor abrasador. No domingo não havia lugar onde colocar uma toalha, quanto mais um automóvel!!! Sair de casa pela tardinha ainda é a melhor solução!...

Praia de Vila do Conde e Caxinas:




A caminho de Abadia, passando por Ponte do Porto, Amares e Santa Maria do Bouro:



Santuário de Nossa Senhora da Abadia

Não tendo a sofisticação do mosteiro de Santa Maria do Bouro, em baixo no vale, este santuário mariano, muito antigo, impressiona pelo seu enquadramento paisagístico excepcional, a meia encosta e rodeado por uma mata verdejante. Os edifícios actuais são setecentistas, construídos num granito austero. Há uma calçada medieval que trepa a encosta ligando os dois locais de culto, oportunidade para sentir esta serra extraordinária que se eleva até Terras do Bouro.

Elementos Artísticos: O interior do templo setecentista, tem três naves, separadas por arcadas de volta inteira assentes em colunas toscanas.

Significado religioso: Neste local, segunda a lenda, teria sido encontrada num penedo, por revelação miraculosa, uma imagem da Virgem Maria, onde, supostamente, foi escondida, na altura da invasão árabe. Do primitivo santuário não existem vestígios.

http://www.lifecooler.com/Portugal/animacao/SantuariodeNossaSenhoradaAbadia

Mais informação em:

http://www.geocities.com/Heartland/Bluffs/6737/Abadia/Abadia.htm


quinta-feira, 18 de junho de 2009

“Momentos Notáveis do Velho Continente”

O habitual cortejo histórico... adiado desde o dia 10 de Junho, devido ao mau tempo. Um desfile que não costumo perder desde 1995.

Para início do cortejo, no domingo passado, dia 14 de Junho, desfilaram algumas bandas de música de Bombeiros do concelho de Famalicão e de outros concelhos.

(Além da agitação de "parapentes" sobrevoando as nossas cabeças, pondo toda a gente de nariz no ar!)

“Uma autêntica aula de história ao ar livre, mas também um espectáculo de teatro puro”, conforme referia o encenador do Cortejo, Miguel Fonseca.
E acrescentava: “Um teatro popular como outrora acontecia nos autos medievos, não o teatro burguês ou elitista, mas antes feito por populares amadores, os que amam o teatro”.
(...)

http://www.cm-vnfamalicao.pt/noticias/desenv_noticias.php?ntid=2484


terça-feira, 16 de junho de 2009

Marchas Antoninas 2009 - V.N.Famalicão

Este ano, pela primeira vez, fui até ao estádio de futebol de Vila Nova de Famalicão para assistir ao desfecho das Marchas Antoninas. O desfile é feito pelas várias ruas de Famalicão e termina no estádio, onde se encontra o palanque com o júri.


Foram treze as marchas concorrentes e, escusado será dizer, que assistir a tão bonito espectáculo popular, nos leva pela noite dentro..., passava das 2 h da madrugada quando abandonei o estádio, mesmo sem saber qual a marcha vencedora e sem assistir à fadista que iria entreter o público até ao resultado da votação.

Mas valeu a pena, foi um autêntico espectáculo de cor e alegria, proporcionado pela indumentária, pela música, pela coreografia, pela dança, pelo fogo de artifício e pelos balões subindo na noite..., não esquecendo o imenso amontoado de gente que ocupou uma ala da bancada, na sua totalidade.

Passei horas comprimida no meio da multidão, mas foi uma experiência fraterna, no "chegue-se p'ra lá, deixe sentar mais aquela senhora". Além de divertida, pois há sempre uns "parceiros bem cómicos" (quase cromos...!?) que fazem a locução em directo.
Um rapaz, ao meu lado, fez a delícia dos ouvintes ao gritar com voz de falsete: - Ó Lagoa! Ó Lagoa!... todo o mundo sorriu ternamente.
Também, colada a mim, estava uma velhinha que abanava a sua bandeirinha a torcer por Avidos, e ficou ali, de pedra e cal, até ao final da festa.
Recordo com ternura o convívio com esta gente do povo, o meu povo predilecto!

E foi mesmo a Marcha de Avidos a ganhadora das Antoninas de 2009.
Um enorme coração encabeçava os noivos e o Santo António dava-lhes a benção.

O tema da Marcha Avidos: "OS NAMORICOS DE SANTO ANTÓNIO"

Refrão:

Toma lá beijinhos
E dois abracinhos
Vem comigo hoje
Pr'a rua dançar
E se tu quiseres
Logo que puderes
Pedimos ao Santo
Para nos casar

Toma meu amor
Este manjeirco
Como diz o verso
No cravinho de papel
Tem de Santo a benção
E já todos pensam
Que esta Maria
É deste Manel





Uma marcha diferente, ao ritmo de "Charleston Swing Dance" - RIBEIRÃO



sábado, 13 de junho de 2009

10 de Junho - Caminhada Camiliana


Este ano, infelizmente, alguns imprevistos não me deixaram acompanhar a Caminhada Camiliana, que se realiza, anualmente, neste dia de Camões e da Pátria.

Recordo aqui, o 10 de Junho de 2008, a minha participação na 3ª Caminhada Camiliana, entre a Estação da CP de Vila Nova de Famalicão e a Casa de Camilo - cerca de 10 km.

Um percurso muitas vezes feito por Camilo, algumas em boa companhia com os Senhores da Época, com quem se relacionava, como Bernardino Machado; outras... com algum burro-doutor.

Estas caminhadas pretendem dar a conhecer o romancista, o escritor, o mestre da língua portuguesa, fazendo, também, alusão a certos episódios engraçados da sua vida, demonstrando um Camilo popular e zombeteiro.

Por isso, não faltou a comitiva... nem o burro, nem os cantares ao desafio, ou as raparigas possessas... ou, ainda, o assalto do Zé do Telhado, saído por entre as folhagens do arvoredo que ladeia os caminhos e, que, por ser amigo de "cárcere" do Camilo, lhe poupou os amigos... e eram cento e dez... ou talvez mais. Eu não os contei!




A Camões e a Camilo:

A MURRAÇA

Canto 1º

Os cónegos, e os socos bem puxados
Que da Sé episcopal na sacristia,
Em queixos nunca dantes soqueados
Ferveram com rev’renda valentia:
E aqueles que deverem ser cantados
Quase filhos de sagaz patifaria,
Cantando, espalharei por todo o Porto
Qual se espalha o fedor de cão já morto.
(…)
Ó soco mais cruel que o próprio dardo,
Que estalaste nos queixos duro e horrendo,
Nos sagrados queixinhos do Bernardo,
E tangido por mão doutro reverendo!
Ah! Soco imortal, soco bem dado!
Salve, soco grande, audaz, estupendo!
Um reinado vais ter d’inteira glória,
Um soco ficarás sendo da história!
(…)
Estava a luz apagada, que o morcego
Ao roçar-lhe co’a asa a apagara;
Tornou o padre a si, achou-se cego
E diz a vizinhança que berrara:
A’ del-rei! Venha luz! ’stá como um prego!
Não vejo… quem me acode… ai, a minha cara!
Quem me tira das costas este fardo!
Quem socorre o mesquinho João Bernardo!
(…)
– Ai, mesquinho de mim! Que negro agouro
– É esse que este cão aqui me envia!
– Terei de ver perdido o meu tesouro,
– Tirar-me-ão os Cabrais a conezia?
– Se assim é, ah cruéis! Que dou um estouro!
– Assim me pagareis a serventia?!
– Ah, não creio, não creio seja tanto,
– E, se é, vale-me tu, Ambrósio santo!
(…)
Canto 3º

Stavas, padre João, pacato e quedo
Da prebenda comendo o pingue fruito,
C’os queixos inda virgens do soquedo,
O que o Passos não deixa durar muito.
Na pandiga folgada sempre ledo
C’o estômago de vinho nunca enxuito,
Mandando aos jornais artigozinhos,
Contra o Passos, que come a dous carrinhos.
(…)
Muito obrigado, ó Musa, vai-te embora,
O meu empenho fiz – cantar os murros.
Tu comigo serás, se em outra hora
Necessário me for cantar tais burros…
Pelo pouco que disse aqui agora
Se eu nos padres sentir esturros,
Ó Musa, tu virás, logo que eu possa,
E vós, padres, fugi, que eu dou-vos coça.

Camilo Castelo Branco


quinta-feira, 11 de junho de 2009

Marinheiro de Aventura com seus erros navegando...

Portugal só pode ser festejado com Camões, num poema de Agostinho da Silva e na voz de Ivo Machado.


Ivo Machado, um professor que sempre valorizou a Arte como um meio de ensino, se não o único.
Dando a conhecer aos alunos os nossos poetas e como eles podem ser ouvidos.
Um professor que não se ficou pelas 'operações de quebrados' - como diria Camilo C.B..
Fez da música (compositor), da poesia e do teatro, o alimento principal nas suas horas de convivência com o mundo escolar.
Mas esse tempo esgotou-se... o Ministério da Educação acaba com qualquer bagagem artística - só conhece a lengalenga das operações quebradas a um só ritmo.
Ivo Machado aposentou-se e apresentou no auditório da Fundação Cupertino de Miranda um recital em forma de aula, a sua última aula, onde homenageou Agostinho daSilva:




Marinheiro de Aventura com seus erros navegando...
Para ti, Ivo Machado, que foste um verdadeiro Descobridor!
O meu mais sincero apreço,
Lucília



E, ainda, de Agostinho da Silva: "Travesso Coração"

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Reviver o Passado na Bracara Augusta

Quando nasceu Bracara Augusta?
A cidade romana de Bracara Augusta foi fundada, pelo Imperador Augusto, acerca do ano 16 antes de Cristo.A palavra Bracara está associada ao nome do povo - Bracari - que aqui habitava e Augusta do próprio imperador Augustus.


Feira Romana de 28 a 31 de Maio
Organização: Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Braga
Local: Centro Histórico da Cidade
___________________________________________________________

Com vista à promoção turístico-cultural e à sensibilização para a salvaguarda e valorização do património arqueológico da cidade, a Câmara Municipal de Braga organiza, com a colaboração do Museu Regional de Arqueologia D. Diogo de Sousa e o apoio de várias entidades, a Braga Romana – Reviver o Passado na Bracara Augusta.
Com esta iniciativa a autarquia pretende chamar a atenção para a importância dos vestígios arqueológicos relacionados com a ocupação mais antiga da cidade, nomeadamente com Bracara Augusta, fundada pelo Imperador Augusto há cerca de 2000 anos.
Trata-se de um conjunto de eventos que remetem para a história romana da cidade, onde se integram a reprodução de um mercado da época, e muita animação, que inclui espectáculo e um Cortejo Romano.
(Fonte: Câmara Municipal de Braga)

Fotos de 2009