Fotografia do "Rio Cávado, no Gerês"

sábado, 13 de junho de 2009

10 de Junho - Caminhada Camiliana


Este ano, infelizmente, alguns imprevistos não me deixaram acompanhar a Caminhada Camiliana, que se realiza, anualmente, neste dia de Camões e da Pátria.

Recordo aqui, o 10 de Junho de 2008, a minha participação na 3ª Caminhada Camiliana, entre a Estação da CP de Vila Nova de Famalicão e a Casa de Camilo - cerca de 10 km.

Um percurso muitas vezes feito por Camilo, algumas em boa companhia com os Senhores da Época, com quem se relacionava, como Bernardino Machado; outras... com algum burro-doutor.

Estas caminhadas pretendem dar a conhecer o romancista, o escritor, o mestre da língua portuguesa, fazendo, também, alusão a certos episódios engraçados da sua vida, demonstrando um Camilo popular e zombeteiro.

Por isso, não faltou a comitiva... nem o burro, nem os cantares ao desafio, ou as raparigas possessas... ou, ainda, o assalto do Zé do Telhado, saído por entre as folhagens do arvoredo que ladeia os caminhos e, que, por ser amigo de "cárcere" do Camilo, lhe poupou os amigos... e eram cento e dez... ou talvez mais. Eu não os contei!




A Camões e a Camilo:

A MURRAÇA

Canto 1º

Os cónegos, e os socos bem puxados
Que da Sé episcopal na sacristia,
Em queixos nunca dantes soqueados
Ferveram com rev’renda valentia:
E aqueles que deverem ser cantados
Quase filhos de sagaz patifaria,
Cantando, espalharei por todo o Porto
Qual se espalha o fedor de cão já morto.
(…)
Ó soco mais cruel que o próprio dardo,
Que estalaste nos queixos duro e horrendo,
Nos sagrados queixinhos do Bernardo,
E tangido por mão doutro reverendo!
Ah! Soco imortal, soco bem dado!
Salve, soco grande, audaz, estupendo!
Um reinado vais ter d’inteira glória,
Um soco ficarás sendo da história!
(…)
Estava a luz apagada, que o morcego
Ao roçar-lhe co’a asa a apagara;
Tornou o padre a si, achou-se cego
E diz a vizinhança que berrara:
A’ del-rei! Venha luz! ’stá como um prego!
Não vejo… quem me acode… ai, a minha cara!
Quem me tira das costas este fardo!
Quem socorre o mesquinho João Bernardo!
(…)
– Ai, mesquinho de mim! Que negro agouro
– É esse que este cão aqui me envia!
– Terei de ver perdido o meu tesouro,
– Tirar-me-ão os Cabrais a conezia?
– Se assim é, ah cruéis! Que dou um estouro!
– Assim me pagareis a serventia?!
– Ah, não creio, não creio seja tanto,
– E, se é, vale-me tu, Ambrósio santo!
(…)
Canto 3º

Stavas, padre João, pacato e quedo
Da prebenda comendo o pingue fruito,
C’os queixos inda virgens do soquedo,
O que o Passos não deixa durar muito.
Na pandiga folgada sempre ledo
C’o estômago de vinho nunca enxuito,
Mandando aos jornais artigozinhos,
Contra o Passos, que come a dous carrinhos.
(…)
Muito obrigado, ó Musa, vai-te embora,
O meu empenho fiz – cantar os murros.
Tu comigo serás, se em outra hora
Necessário me for cantar tais burros…
Pelo pouco que disse aqui agora
Se eu nos padres sentir esturros,
Ó Musa, tu virás, logo que eu possa,
E vós, padres, fugi, que eu dou-vos coça.

Camilo Castelo Branco


4 comentários:

Astrid Annabelle disse...

Lucy!
Hoje tirei parte da Tarde para curtir seu blog. Eu amo vir aqui, mas assim, sem pressa...
Gostei das mudanças...gosto disso.
É sempre muito inspirador em tudo...
Melhor não falar muito senão estrago toda a paz que sinto por aqui...
Lindo!!!Muito lindo!!!
Beijos com saudades.
Astrid Annabelle

Eduardo Aleixo disse...

Também gostava muito de fazer uma caminhada camiliana. Talvez um dia. Beijinhos, Lucy

Lucília Ramos disse...

Astrid, sê sempre "Benvinda" - com o eu.

Beijinho,
Lucy

Lucília Ramos disse...

Eduardo,

Também não perdi a esperança de te ver por aqui... a deliciares-te com o nosso Camilo e suas gentes.
Até podes trazer a cana de pesca!!!

Beijo, amigo meu.

Lucy