Fotografia do "Rio Cávado, no Gerês"

domingo, 29 de janeiro de 2012

Paço dos Duques de Bragança - Guimarães

Dezembro de 2009

História

O Paço dos Duques de Bragança, exemplar representativo da arquitectura senhorial quatrocentista e berço da Casa de Bragança, localiza-se numa colina sobranceira ao burgo muralhado.

O Paço foi mandado construir por D. Afonso (filho ilegítimo do rei D. João I), entre os anos de 1420 -1422, por altura do seu segundo casamento com D. Constança de Noronha (filha do conde de Gijón e Noronha).

Esta moradia senhorial foi essencialmente habitada durante o século XV. Na centúria seguinte assistiu-se a um progressivo abandono e a uma consequente ruína (motivada por factores políticos e económicos), estado que se agravou até ao século XX.

Este estado de ruína não foi impeditivo de se identificarem, no primeiro quartel de novecentos, alguns elementos arquitectónicos comuns às casas fortificadas, bem como soluções construtivas importadas da Europa setentrional, como a organização simétrica em torno de um pátio central e os vestígios de múltiplas chaminés, conferindo ao conjunto aspectos singulares e únicos no âmbito da arquitectura civil portuguesa de finais da Idade Média.


Entre 1937 e 1959 realizou-se uma ampla e complexa intervenção de restauro, da responsabilidade do arquitecto Rogério de Azevedo. Procedeu-se também à aquisição do recheio actual, composto por peças de arte variadas e datadas, essencialmente, dos séculos XVII e XVIII.

Do referido acervo destaca-se o conjunto das quatro cópias das tapeçarias de Pastrana, cujo desenho é atribuído ao pintor Nuno Gonçalves, as porcelanas "Companhia das Índias", as faianças do Rato, Prado, Viana, Rocha Soares, diversas tapeçarias flamengas e d'Aubusson e mobiliário variado.

O paço encontra-se classificado como Monumento Nacional desde 1910. Actualmente, é um serviço dependente do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) e integra o Museu (1º piso), uma ala destinada à Presidência da República (fachada principal, 2º piso) e uma vasta área vocacionada para
diversas iniciativas culturais.

2 comentários:

Eduardo Aleixo disse...

Tudo lindo! Então a cama aristocrática... ao pé do meu catre de cabana!!
E a música, meu Deus!
Gosto mesmo das tuas imagens: vê-se melhor aqui em Lisboa do que aí, devido à tua arte. Mas aí sempre se via mais perto não só o objecto mas também a artista.
Bom fim de semana.

António Rosa disse...

Lucy

Desejo-lhe umas Festas Felizes e um excelente ano de 2010.

Happy holidays and best wishes for 2010!

Abraços

António


P.S.: Vou estar ausente do meu blogue e da blogoesfera durante uns dias.