Fotografia do "Rio Cávado, no Gerês"

sábado, 28 de março de 2009

Hoje... com a Natureza!


Famalicão às escuras pela Hora do Planeta

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão vai associar-se no próximo sábado, dia 28 de Março, ao apagão mundial da Hora do Planeta, uma acção promovida pela World Wide Fund for Nature (WWF), uma das mais conhecidas Organizações Não Governamentais ambientalistas do mundo. Durante 60 minutos, entre as 20h30 e as 21h30, diversos equipamentos municipais de Famalicão vão ficar às escuras, dando o seu contributo na acção mundial contra as alterações climáticas.



O edifício dos Paços do Concelho, o Palacete Barão da Trovisqueira onde está instalado o Museu Bernardino Machado, a casa da Cultura, o Centro de Estudos Camilianos e a Casa-Museu de Camilo, em S. Miguel de Seide e ainda o Mosteiro de Landim são os equipamentos que ficarão iluminados apenas com a luz das estrelas.
Para o presidente da Câmara Municipal, Armindo Costa, “com este acto simbólico a Câmara Municipal de Famalicão associa-se ao alerta mundial sobre a ameaça das mudanças climáticas”. Por outro lado, através desta acção, o autarca pretende “encorajar e incentivar todos os famalicenses a reflectirem sobre esta problemática, começando por desligar as suas luzes por uma hora no próximo dia 28 de Março”.Neste momento, a iniciativa de luta mundial contra as alterações climáticas já soma uma adesão total de 80 países. O número de cidades aderentes a esta iniciativa ultrapassa as 1800 - nestas, inclui-se, pela primeira vez, as cidades portuguesas de Vila Nova de Famalicão e Lisboa.
A iniciativa que foi promovida pela primeira vez, em 2007 na cidade australiana de Sidney tem como principal objectivo alertar a população para a necessidade do Planeta ter essa Hora para respirar, para descansar, para se regenerar. Assim, encorajando as empresas, governos e cidadãos a desligarem as luzes por uma hora, deu-se um grito de alerta e criou-se uma plataforma de acção para todos os que estão interessados e atentos a questões que envolvem a luta contra as alterações climáticas e a defesa do nosso Planeta, permitindo uma redução na emissão de gases de efeito de estufa.

6 comentários:

Agulheta disse...

Lucy. Ainda bem que pessoas há que pensam,por uma coisa que é de todos nós,e temos de deixar para os netos e filhos,algo limpo e respiravél,acho bem a iniciatica,Guimarães aderiu,a cidade onde moro não?as fotos do parque do Gerês estão maravilhosas,embora nestes dias já estão algo pior,e a culpa morre solteira como sempre,basta o esforço de quem luta para apagar as chamas de quem as provoca,bem haja.
beijinho bfs Lisa

Eduardo Aleixo disse...

As fotos do Parque do Gerês estão lindas.
Claro que adiro à iniciativa, amante que sou da Mãe Natureza.
Parabéns a Vila Nova de Famalicão.
Gostei de ver os patunhos - ou cisnes ? , tão lindos, deslisando na sem-escuridão. Quando escrever um poema sobre cisnes posso vir cá roubar um?
Ó, Lucy, eu adiro, sim, mas não me levas a mal que ligue a televisão para ver a selecção das quinas, pois não? ( Peço deferimento...)

Beijos.
Eduardo

Astrid Annabelle disse...

Lucy!
Muito bom! Muito lindo!
Vamos então juntos apagar a luz...
Entrei no site da sua cidade...gostei muito. Deve ser um local bem tranqüilo, não é?
Um beijo
Astrid

Lucy disse...

Lisa, minha Bombeira,

Não fosses tu uma guerreira da Natureza, sempre em alerta e em defesa de quem lhe quer fazer mal!...

Um dia destes vou ao Gerês e vou ficar desolada com o aspecto da mata de Albergaria, pois que estas fotos são quase todas de lá. Esperemos que o fogo não a tenha desvastado...?

O maior incêndio no Gerês deu-se na Pedra Bela, em Setembro de 1988. Eu sei até o dia em que o foco de incêndio alastrou, pois estava grávida da minha filha e, três dias antes de deflagrar o incêndio que deu o título aos jornais. "O Gerês está a arder", eu já não respirava e sabia que o 'fumo' vinha da Pedra Bela. Até tive a criança mais cedo uma semana de tal maneira eu intoxicava. Claro, ninguém via incêndio nenhum e eu ainda passei por louca, perante o meu marido. Depois, ele aparece-me no hospital, muito pálido, com um jornal na mão e a dizer: tu és bruxa, há realmente um grande incêndio na Pedra Bela.

Sabes, amiga, às vezes desejava estar sempre grávida para saber tudo de antemão, pois a sensibilidade é muito mais refinada. Já imaginsate eu de barrigão e com o nariz no ar a detectar focos de incêndio?

Um grande beijo e continua no teu grande projecto de seres uma soldadinha da Paz.

Lucy

Lucy disse...

Eduardo,

Claro que podes vir buscar um patinho, é só escolheres e levar. Ficarei honrada com o poema que irá ilustrar.

Ai, ai os homens!!! Com que então queres ver 'as quinas' à luz da vela. É isso? Olha, pelo menos não faças muito barulho caso ganhe a tua quina.

Eu penso desligar o contador da luz para me assegurar que nada estará em gasto de energia eléctrica.

Irei aproveitar para meditar e talvez ler o livro de poesia do Eduardo Graça, à luz da vela, claro!

Vê lá, Eduardo, é só uma hora, vê lá se não te estendes muito...

Um abraço,
Lucy

Lucy disse...

Astrid,

Famalicão é uma pequena cidade bem tranquila.

Veremos se o nosso povinho cumpre o que a autarquia propôs.

Faltam dois minutos, vou desligar tudo.
Até daqui a uma hora.

Um beijo grande,
Lucy