Fotografia do "Rio Cávado, no Gerês"

terça-feira, 10 de março de 2009

Um passeio de Domingo.... Santo Tirso!

Ainda o Rio Ave atravessando a minha vida...

... passeando por onde os meus passos passearam na infância, em estudo e em brincadeiras de menina.

- Santo Tirso, passando pelas Caldas da Saúde, Palmeira, por Nossa Srª do Parto, visitando depois a velha estação de comboio, o Rio Ave visto da Ponte, o Mosteiro de S. Bento, os jardins que o circundam, o fascinante Parque D. Maria II, as pracetas da cidade e tomando o rumo do Monte de Nossa Senhora da Assunção, para assistir ao pôr-do-sol.

Um belo passeio de Domingo, feliz em todas as recordações que me marcaram!

Diria a criança, se pensasse como os homens...



Tudo é puro nos olhos limpos da alma,


bico de ave

com asas leves.

Assim nasce a criança no

regaço da manhã.

Tudo é sem abrigo, nudez plena,

frutos (auto)suficientes sobre a terra.

As tardes são calmas.

Nas noites acenam as estrelas.

Nem sonhos há!

Tu és o sonho

que te ouves sem saber

no sonho!...

E as águas cantam nos regatos,

luminosas,

contentes...

- Assim devia ser o mundo! -

diria a criança se
pensasse como os homens...


" Caminhos do silêncio " -a publicar

Poema de Eduardo Aleixo, do blogue: À BEIRA DE ÁGUA
http://ealeixo.blogspot.com/
 
 

9 comentários:

Eduardo Aleixo disse...

Fico contente pos saber que passaste um dia feliz, junto dos lugares da tua infância, onde sentiste paz e serenidade. Sao imagens muito belas as das tuas fotos. Por esses lados andaram os nossos amigos Zé do Telhado e Maria da Fonte. Que continuam felizes na sua cabana, ele, já sem problemas com a justiça, e ela, cada vez mais sábia. Por agora fico-me por aqui, não tenho andado muito bem de saúde, mas isto passa. Recebe um beijo de grande amizade.
Eduardo

Eduardo Aleixo disse...

Estive, com mais tempo, a ver as fotos e fiquei encantado, com a beleza do poente, penso que visto do Monte da Nossa Senhora da Assunção, as pones, as águas do rio, os monumentos que claro não sei identificar, a beleza da natureza...Tantos slides tiraste rapariga! Vi também que olhavas atenta para a distância, mas com os teus olhos cheios de melancolia, embora calmos...
Beijo.
Eduardo

Anónimo disse...

Lindas fotos,gostei particularmente de uma que mostra um caminho ladeado de árvores.
É uma honra poder visitar este blog e ver a beleza do nosso país através do teu olhar sereno.
A música é também muito bonita.
Grata, um abraço.

Agulheta disse...

Olá Lucy! A beleza deste país é enorme e basta fotografar e ver,por vezes nem damos valor ao que temos cá dentro,conheço bem estes lugares e posso dizer que é mesmo assim lindoooo.
Beijinho

Lucy disse...

Eduardo,

Sim, foi do Monte da Assunção que tirei as fotos do poente.
Agradecida por seres meu amigo.
Um beijo,
Lucy

Lucy disse...

D. Anónima,

Honra é toda minha em acolher-te neste espaço. Obrigada pela apreciação. Volta sempre.
Um beijo,
Lucy

Lucy disse...

Lisa,

Que bom saber que pisamos os mesmos lugares. Em breve vais ver os meus passos mais próximos de ti...

Volta sempre,
Uma beijoca,
Lucy

Nela disse...

Lucy irmã,
Também não me atrai muito Santo Tirso. Depois que o nosso sobrinho mais velho comeu a chiclete, eu temi tanto que ele morresse que quem morreu para mim foi Santo Tirso. E as marmitas para a Sociedade Portuguesa! E uns "moncos" que me caíram quando dei ums forte risada! E o que fizeram pouco de mim? Bem...foi engraçada aquela estadia em Santo Tirso, mas já nada me diz. Tirando os bailes do Neca Boco e do teu velho sogro, que eram espectaculares, mas quê...ninguém me dizia : " A menina dança?"
Passou à história mais esta terra, qual é a próxima?
Beijinhos da Nela

Eduardo Aleixo disse...

Obrigado pela possibilidade que me dás de rever as magníficas imagens da tua tão linda terra.
Obrigado por ao reler constatar que a nossa Amizade continua forte, embora o Zé tenha sido obrigado a emigrar, estando neste momento numa embarcação no Índico.
Obrigado pela honra que me dás de transcreveres um poema meu, neste espaço que me é tão querido.
Finalmente, eu, que também tenho um rio, o Guadiana, tenho ciúmes do teu. É que o teu tem asas. Rio AVE.
E o meu não. Mas cada um tem aquilo que merece. E tu mereces.